saiba tudo sobre a cirurgia de catarataSegundo a OMS, atualmente a catarata é responsável por praticamente metade dos casos de cegueira no mundo, sendo caracterizada pela opacidade do cristalino — a lente natural do olho — que, deixando de ser transparente, ocasiona uma visão nublada, interferindo nas atividades cotidianas. Ela pode ter origens diversas, em decorrência de alguma doença metabólica, como diabetes, infecções e traumas oculares, ou estar relacionada com o avanço da idade, sendo esta última denominada catarata senil.

Como é uma condição progressiva, talvez em um primeiro momento seja possível lidar com o problema por meio da utilização de óculos. Entretanto, com o tempo a condição alcançará um nível no qual a cirurgia da catarata será necessária, uma vez que não existe outro tratamento. O procedimento é seguro e eficaz, desde que realizado por profissionais especializados e competentes. Contudo, não deixa de causar preocupações ao paciente e seus familiares.

Se você tem dúvidas em relação à catarata ou quanto ao procedimento cirúrgico para sua retirada, continue lendo este post e veja as respostas para 6 perguntas sobre o tema. Acompanhe!

1. Como descobrir a catarata?

Na maioria das vezes, a catarata só será diagnosticada quando existir algum incômodo ou comprometimento visual. Entre os principais sintomas, estão o embaçamento da visão, percepção de cores desbotadas e maior sensibilidade à luz. Entretanto, somente um oftalmologista está apto a fazer o diagnóstico preciso por meio dos exames necessários.

2. Quando realizar a cirurgia da catarata?

A intervenção é geralmente recomendada quando há desejo de o paciente enxergar melhor, pois os sintomas já comprometem as atividades diárias, tais como ler, assistir TV ou mesmo reconhecer expressões faciais. Em algumas situações, a indicação cirúrgica pode partir do médico, com o objetivo de evitar complicações decorrentes do cristalino opaco, que pode ter seu volume aumentado, dificultando uma cirurgia futura.

3. A catarata acomete os 2 olhos?

É bastante comum, principalmente na catarata senil, que ambos os olhos sejam afetados, simultaneamente ou em momentos distintos, mas isso não é regra. Porém, a operação, na maioria dos casos de acometimento bilateral, é realizada com um intervalo de tempo entre os procedimentos. É aconselhável esperar o resultado pós-cirúrgico do primeiro olho para depois programar a próxima cirurgia.

4. Como a operação é realizada?

O procedimento em si é rápido, levando apenas alguns minutos, utilizando, usualmente, anestésico local em gotas, e o paciente permanece consciente durante a cirurgia. Ocorre a retirada do cristalino acometido, que é substituído por uma lente artificial transparente, denominada lente intraocular. Esta permitirá a passagem dos estímulos luminosos para o interior do olho, sem interferência, proporcionando uma visão mais nítida.

5. Quais os cuidados pós-cirurgia?

Será necessário o uso de colírios antibióticos e anti-inflamatórios durante algumas semanas. Com o avanço contínuo da técnica para esta cirurgia, o procedimento é rápido e seguro, e o paciente não necessitará de internação, podendo ir para casa logo após a intervenção e voltar às atividades rotineiras sem complicações. Certa melhora na visão é percebida de maneira rápida, e ao longo dos dias se torna mais evidente.

6. É possível evitar a catarata?

Não existe método concreto que evite esse processo de opacificação do cristalino com o passar da idade. Contudo, alguns comportamentos podem retardar o surgimento da catarata, prolongando a saúde dos olhos. Aconselha-se uma dieta saudável e balanceada; manter outras doenças, caso existam, sob controle; evitar o tabagismo e proteger os olhos com óculos escuros que bloqueiem os raios ultravioletas.

É fato que, principalmente com o envelhecimento, acontecem alterações que costumam comprometer o bem-estar visual. Mas o avanço dos recursos disponíveis para a cirurgia da catarata, desde que realizado por profissionais qualificados, vem garantindo um procedimento seguro, rápido e com resultados muito satisfatórios.

As dicas foram úteis? Ainda restam dúvidas? Então assine a nossa newsletter e receba informações como essas diretamente no seu e-mail!

Que tal também conferir os nossos artigos relacionados:

E não deixe de visitar o seu oftalmologista de confiança regularmente!

Posts Relacionados

Ricardo Filippo
Oftalmologista
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.