AAprenda a pingar colírios corretamentepesar de os colírios serem os remédios mais comumente prescritos pelos consultórios de oftalmologia, poucos pacientes realmente se preocupam em tirar um tempinho para aprender a usá-los corretamente. Afinal de contas, a aplicação deve ser feita em pé? É preciso contar com a ajuda de outra pessoa, puxar a pálpebra ou fechar o olho depois da aplicação para espalhar o medicamento?

Também desconhece as respostas para essas perguntas? Então esclareça já suas dúvidas:

Como pingar os colírios corretamente?

Antes de seguir nosso passo a passo e efetivamente partir para a ação, é preciso conferir a data de validade do produto, uma vez que muitas das reações adversas a medicamentos ocorrem exatamente por seu uso fora do prazo. Nos olhos, colírios vencidos podem provocar vermelhidão, coceira e, no pior dos cenários, prejudicar a visão. Conferida a data e estando tudo certinho, siga nossas dicas:

Higienizando as mãos

O primeiro e primordial passo consiste em lavar suas mãos. Como os olhos são muito sensíveis e vulneráveis a infecções, é importante ter as mãos limpas antes de tocá-los de qualquer forma.

Preparando o terreno

diagnóstico e tratamento de olho seco

Agora incline sua cabeça para trás e puxe com cuidado, com a ponta do dedo, a pálpebra inferior para baixo e um pouquinho para a frente. O objetivo é criar uma bolsinha entre o olho e a pálpebra inferior para a penetração do colírio.

Pingando as gotinhas

Aplique o colírio, mantendo o olhar para cima, a fim de reduzir as chances de errar o olho e aplicar o medicamento sobre a pálpebra superior. Só tenha cuidado para não encostar o frasco no olho ao aplicar exatamente o número de gotas prescrito pelo oftalmologista. Lembre-se de que o uso do medicamento em doses abaixo ou acima do prescrito prejudica a eficácia do tratamento e acrescenta riscos de sofrer efeitos colaterais.

Dando tempo ao tempo

Depois de aplicado o colírio, não feche imediatamente os olhos. O ideal é dar um tempinho para que o remédio possa ser absorvido antes de acabar provocando um extravasamento do colírio. Nesse momento você pode pressionar um pouco o canto do olho mais próximo do nariz, o que ajuda a reduzir o transbordamento do colírio e consequentemente a aumentar sua absorção.

Se for preciso aplicar o remédio em ambos os olhos, basta repetir os passos para o outro lado.

LEIA TAMBÉM:  Você já conhece o Google Glass?

E se não conseguir seguir o passo a passo?

Uma boa alternativa — especialmente para crianças, que não costumam cooperar muito com a aplicação do colírio diretamente nos olhos — é realizar o procedimento deitado, de preferência contando com a ajuda de uma segunda pessoa. Veja como é simples:

  • Deite confortavelmente e feche os olhos;
  • Peça para alguém aplicar o colírio no cantinho do olho mais próximo do nariz;
  • Abra os olhos e incline a cabeça para o lado em que foi aplicado o colírio — assim, se o colírio foi aplicado no olho direito, vire a cabeça para a direita;
  • Espere o colírio penetrar no olho;
  • Repita o procedimento no outro olho, se necessário.

Como os colírios devem ser armazenados?

saiba tudo sobre o que é pterígioPara guardar seus colírios da forma certa, siga as instruções de armazenamento presentes nas embalagens para garantir que o produto se manterá conservado. Há inclusive alguns colírios que devem ser mantidos na geladeira, enquanto outros não exigem esse cuidado. Em geral, simplesmente não os expor a ambientes com luz direta ou muita umidade já basta, não havendo perigo em deixá-los na bolsa ou no porta-luvas do carro, por exemplo.

O que mais é preciso saber sobre os colírios?

Por último, mas não menos importante, lembre-se de não compartilhar seu frasco de colírio com outras pessoas, para evitar a transmissão de infecções. E se você precisa usar dois ou mais colírios, espere alguns minutos ( cerca de 20 minutos ) entre as aplicações, porque o espaço entre o olho e a pálpebra é pequeno, não comportando grandes quantidades de líquido. Assim, se você aplica diversas gotas ao mesmo tempo, corre o risco de a maioria acabar escorrendo pelo rosto e não sendo absorvida.

E aí, gostou das nossas dicas? Deixe nos comentários suas dúvidas e aproveite para descobrir o que mais pode causar conjuntivite — além de frascos de colírio contaminados!

E não esqueça de visitar o seu oftalmologista de confiança regularmente !

 

Ricardo Filippo
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.