Saiba tudo sobre conjuntivite, seus sintomas e tratamentoEm um consultório oftalmológico, dúvidas sobre a conjuntivite, suas causas e seus sintomas são comuns. Pois se você também não sabe ao certo do que se trata esse mal, é melhor conferir nosso post de hoje. Antes de mais nada, já vale adiantar que a conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, uma membrana fina que recobre toda a porção branca dos olhos e o interior das pálpebras. Mas não precisa se preocupar, porque, na grande maioria dos casos, a inflamação é benigna e se resolve sem nenhuma sequela.

Esse quadro pode ocorrer por diversos motivos: por invasão de vírus, bactérias ou mesmo por alergia. Saiba mais detalhes sobre a conjuntivite, suas causas, sintomas e cuidados que você pode ter para evitá-la. Temos tudo bem explicadinho logo aqui abaixo:

Quando a conjuntivite é mais comum?

O calor, o tempo seco durante o verão e os ventos propiciam a conjuntivite, o que faz com que a inflamação apareça com mais frequência durante o verão. Nessa época, há maior proliferação de vírus e bactérias, e costumamos frequentar mais ambientes como clubes e praias, onde têm muitas pessoas, o que facilita o contágio.

Na primavera é comum que apareçam infecções causadas por alergia, devido a resíduos que estão no ar, como pólens e poeira. Já no inverno, quando ficamos mais quietinhos dentro de casa, o ambiente fechado e sem ventilação pode favorecer o aparecimento da conjuntivite viral.

Quais são os sintomas da conjuntivite?

olho vermelhoA conjuntivite pode se desenvolver em apenas um dos olhos ou nos dois. Os sintomas principais que aparecem quando se está com esse tipo inflamação são: vermelhidão, se os olhos estão lacrimejantes, inchados, ardidos, irritados e doloridos. Há também uma sensação incômoda de estar com areia nos olhos. Ocorre secreção de muco, que é a liberação de um líquido pelos olhos que pode chegar a colar os cílios, tamanha sua produção — a cor do muco em infecções bacterianas é amarelada, enquanto a infecção por vírus produz um muco transparente. A pessoa também pode ficar mais sensível à luz, o que chamamos de fotofobia.

Causas mais comuns

Primeiramente, não se desespere! Em geral, as conjuntivites são benignas e não deixam nenhuma sequela. Mas para que tudo saia bem, trate com cuidado e seguindo todas as recomendações do seu oftalmologista, pois, caso a infecção se agrave, há a possibilidade do desenvolvimento de quadros perigosos, como lesões na córnea ou mesmo cegueira.

Podemos dizer que em 95% dos casos, a inflamação é causada por vírus. No caso de infecção bacteriana, ela pode ser causada por estreptococos ou estafilococos, por exemplo. Já em casos de alergia, é geralmente ocasionada por diversos motivos, como o contato com pólen, poeira, fumaça, cloro de piscina, maquiagem ou ácaros.

Há ainda como ter conjuntivite em decorrência de algum acidente, o que chamamos deconjuntivite traumática. A córnea pode ser machucada por algo que atingiu os olhos, como estilhaços de vidro, metal ou contato com produtos químicos.

Tratamentossaiba o modo correto de pingar os colírios da maneira certa

O tratamento depende do que causou a conjuntivite. Caso tenha sido uma infecção gerada por vírus, não há um medicamento específica antiviral, então o tratamento é feito a partir do uso de colírios lubrificantes, antissépticos e compressa de água fria.

Quando causada por bactérias, que é a causa mais rara, a conjuntivite é tratada com antibióticos, que podem ser receitados na forma de colírio ou pomada, visando reduzir a inflamação e curar a conjuntivite.

LEIA TAMBÉM:  Conheça os 6 acidentes oculares mais comuns no trabalho

Na conjuntivite traumática, tem-se de remover o corpo estranho e utilizar colírios antibióticos e anti-inflamatórios.

Caso aconteça devido a alguma alergia, deve-se aplicar colírios antialérgicos para sua melhora.

Cuidados a serem tomados

Essa infecção é contagiosa, portanto, quem quer evitar o contágio, deve se distanciar por um tempo de quem está com conjuntivite, assim como quem está nessa condição deve ter o bom senso de evitar locais fechados ou que haja outras pessoas, ficando de repouso por alguns dias, não indo ao trabalho ou à escola, por exemplo. Além disso, é recomendado que a pessoa fique atenta à sua higiene: lave as mãos com mais frequência, troque as fronhas do travesseiro e as toalhas todos os dias.

É interessante utilizar óculos escuros, pois, assim, a sensibilidade à luz é reduzida — como já falamos, a condição de conjuntivite pode tornar o ambiente iluminado um pouco incômodo.

Apesar da grande vontade que dá, é importante não coçar os olhos, porque o movimento pode causar danos à córnea. É recomendado não utilizar maquiagem durante o tratamento, nem lentes de contato, ou até mesmo entrar em piscinas. A pessoa deve ficar atenta e realizar o tratamento até o fim para que os sintomas não voltem.

Previna-se

  • Não compartilhe com outras pessoas objetos que exijam contato direto com os olhos, como maquiagens, toalhas de rosto, travesseiros, óculos de mergulho ou de proteção no trabalho;
  • Não utilize medicamentos sem prescrição médica, como colírios ou pomadas;
  • Evite também coçar os olhos e lave as mãos sempre que precisar encostar neles;
  • Redobre sua atenção com a higiene pessoal, assim, você reduzirá bastante a possibilidade de contrair a doença.

Soluções caseiras

Exame oftalmológico faz parte da rotina de investigação do ceratoconeÉ essencial que você vá a um médico especializado em oftalmologia para saber o que de fato tem e como cuidar efetivamente. Tratamentos caseiros podem agravar o quadro, ao invés de melhorá-lo, visto que não se sabe ao certo qual foi o agente causador da infecção.

No entanto, para amenizar a sensação de mal-estar, você pode fazer compressas frias, com um algodão embebido de soro fisiológico ou água gelados que ajudam a aliviar os sintomas.

É importante não colocar em seus olhos nada receitado ou orientado por conhecidos e/ou vizinhos, tais como leite materno, chás, sucos ou quaisquer outros produtos dito caseiros. Além de não ajudarem, podem piorar ainda mais a inflamação de seus olhos.

Procure um oftalmologista e saiba mais sobre o que está comprometendo sua visão, assim, você descobrirá a melhor forma de tratamento para a conjuntivite. Seus olhos são a porta de entrada para o contato com o mundo! Cuide bem deles, preocupe-se com qualquer sinal diferente que eles possam apresentar e desfrute de uma vida colorida, cheia de formas e movimentos!

O que achou do nosso post? Comente sua opinião e aproveite para saber mais sobre os 6 sinais de que é hora de visitar um oftalmologista.

 

Ricardo Filippo
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.