Dê sua nota!

A enxaqueca é um mal comum na vida de muitas pessoas. Bastante incômoda e dolorosa, ela surge como um verdadeiro entrave na realização de diversas atividades e causa um grande mal-estar para quem sofre dessa patologia. E a verdade é que a dor e a confusão mental causadas pela enxaqueca podem estar relacionadas a determinados problemas visuais, embora poucas pessoas saibam ao certo o porquê dessa ligação. Mas você vai entender tudinho agora mesmo, pois no post de hoje o ajudaremos a entender a conexão entre enxaqueca e moléstias oculares. Pronto para virar um expert no assunto? Então vamos lá:

Afinal de contas, o que é a tal da enxaqueca?

A enxaqueca é um tipo de dor de cabeça que apresenta alguns sintomas característicos: a dor é latejante em um lado da cabeça, às vezes se espalhando para os dois, e geralmente está acompanhada de fonofobia (incômodo com sons), fotofobia (incômodo com claridade), náuseas e vômitos. As crises podem durar de quatro horas até três dias consecutivos. Na prática, as mulheres acabam apresentando esse mal com mais frequência, embora ele também afete homens. Crianças também podem ter enxaqueca, enquanto, por outro lado, a incidência costume diminuir após os cinquenta anos. Fala-se em enxaqueca crônica quando o paciente sente dores de cabeça em quinze ou mais dias do mês, com crises de sintomas típicos em oito desses dias, que se repetem por mais de três meses.

Como ela pode causar problemas de vista?

Outra manifestação da doença é a enxaqueca com aura, definida por um sintoma ocular característico: a aura visual. Ela pode se apresentar de diversas maneiras, indo desde flashes de luz, passando por manchas escuras em forma de mosaico no campo visual e chegando a imagens brilhantes em ziguezague. Os pacientes com esse mal também podem sentir formigamentos ou dormência em um lado do corpo, no entanto, as manifestações sensitivas da enxaqueca com aura são mais raras. Geralmente ela antecede a crise, podendo persistir ou não depois que a dor começar.

LEIA TAMBÉM:  Conheça os melhores suplementos naturais pra melhorar a sua visão

Quais são os fatores desencadeantes desse mal?

healthy eyes of a young girl

Embora a crise possa ser disparada sem nenhuma razão aparente, sabe-se que existem alguns fatores que contribuem para o desencadeamento da enxaqueca. Mulheres apresentam mais crises quando usam anticoncepcionais e/ou durante o período menstrual, por exemplo, mas, de modo geral, a enxaqueca com aura tem mais chances de acontecer em situações de jejum prolongado, alterações no sono, estresse elevado, alto consumo de frituras, café, chocolate e álcool, ou ainda quando a pessoa sofre de problemas na coluna cervical e distúrbios da Articulação Temporomandibular (ATM). Esses itens são verdadeiros gatilhos e devem ser evitados por pessoas com predisposição.

Como tratar a enxaqueca com aura?

Apesar de a enxaqueca com aura apresentar sintomas visuais, vale lembrar que a doença tem origem neurológica. Assim, suas causas são incertas, mas sabe-se que ela está associada a alterações intermitentes e reversíveis no funcionamento cerebral e na circulação sanguínea dessa área do corpo, que precedem a manifestação dos sintomas. Embora na maioria das vezes o paciente apresente apenas essa patologia, é indispensável procurar um oftalmologista de confiança, que vai solicitar exames para descartar possibilidades de problemas mais graves, podendo, então, indicar o tratamento mais adequado, seja encaminhando para um neurologista ou fazendo o acompanhamento pessoal da progressão dos sinais, para aliviar os sintomas.

A enxaqueca com aura é um mal comum, mas deve ser observado com seriedade, pois seus sintomas são bastante incômodos e podem ser aliviados com o diagnóstico correto. E você, tem consultado seu oftalmologista com frequência? Já sofreu ou conhece alguém que sofre com enxaqueca com aura? Conte para nós nos comentários!

Ricardo Filippo
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.