Você sabia que sua visão muda na terceira idade?

Nas últimas décadas, a expectativa de vida da população aumentou. No entanto, viver mais tempo nem sempre significa viver com qualidade. Isso porque, à medida que os anos passam, diversas doenças são desenvolvidas, entre elas estão os problemas de visão na terceira idade.

A boa notícia é que a maioria dessas enfermidades tem cura, desde que seja feito o acompanhamento médico regular e o tratamento adequado. Dessa forma, também é essencial redobrar os cuidados com a saúde dos olhos e adotar atitudes preventivas.  Para saber como se prevenir e quais são as doenças oculares mais prevalentes nos idosos, continue lendo este post!

Por que a visão sofre alterações com o passar dos anos?

Com o avançar da idade, é comum que alguns problemas de saúde cheguem junto com a experiência adquirida. Isso acontece porque o corpo passa por modificações que alteram a qualidade de seu funcionamento. Nessa fase, inevitavelmente, o organismo começa a enfrentar certas limitações, como doenças neurológicas, cardiovasculares, ósseas e oculares.

Nossos olhos sofrem inúmeras alterações morfológicas na coroide, retina e humor vítreo, o que pode causar diversos graus de perda da acuidade visual. Além disso, com o passar dos anos, os músculos responsáveis pelos movimentos oculares podem sofrer atrofia, levando os idosos a apresentarem problemas na movimentação do globo ocular.

Depois de certa idade, a maioria das pessoas sente alguma dificuldade para enxergar. Muitos dos problemas oculares se desenvolvem de forma gradual e se agravam com a falta de tratamento.

Por isso, é importante ficar atento aos sinais de que a visão já não está tão boa quanto antes. Observe se agora você sente mais dificuldade para dirigir, para focalizar objetos próximos ou se precisa de luz mais forte para ler.

Algumas condições precisam de medidas simples para evitar danos maiores. A Presbiopia (ou vista cansada), por exemplo, é comum e facilmente corrigida com o uso de óculos, lentes de contato ou por meio de cirurgia oftalmológica.

Como prevenir as doenças oculares?

Quando se fala em saúde, é necessário ter consciência de que as ações preventivas são tão importantes quanto os cuidados corretivos. Portanto, veja o que fazer para evitar o agravamento dos problemas oculares:

Alimentação adequada

Uma forma de prevenir problemas na visão é prezar por uma boa alimentação. A vitamina A, ou retinol, é necessária para enxergarmos bem durante a noite e para evitar a sensibilidade à luz, além de proteger a córnea contra a agressão dos radicais livres. Por isso, alimentos como batata doce, cenoura, manga, abóbora e couve, que são ricos em retinol, devem ser incorporados à dieta.

Já as vitaminas C e E são importantes na prevenção da degeneração macular e também ajudam a atrasar os sintomas da catarata. A Vitamina C pode ser encontrada em laranjas, kiwis e morangos e a Vitamina E em frutos secos, como amendoins e pinhões. Outra substância presente na maioria desses alimentos é a luteína, que têm propriedades que protegem os olhos do sol e do estresse oxidativo.

Hábitos saudáveis e cuidados com a saúde geral

Além da alimentação saudável, também é importante estar atento à qualidade de vida em todos os sentidos. Hábitos como o tabagismo e problemas como obesidade, diabetes, pressão alta e exposição intensa ao sol são fatores de risco para o desenvolvimento de doenças oculares. Portanto, tais condições devem ser evitadas ou devidamente tratadas.

Acompanhamento médico regular

Assim como as consultas regulares a outros especialistas, o acompanhamento oftalmológico também deve ser periódico na terceira idade. Essa atitude permite que as doenças sejam precocemente identificadas e monitoradas.

Seguir conselhos de conhecidos, pesquisar informações na internet ou tentar solucionar a situação por conta própria não vai evitar que os problemas se agravem. Um oftalmologista é o único profissional que pode diagnosticar o quadro e determinar o tratamento correto. Isso é feito com base em avaliação cuidadosa e exames complementares.

Quais são os principais problemas de visão na terceira idade?

Muitos dessas condições são resultantes de danos cumulativos e tendem a aparecer com mais frequência depois dos 40 anos. A idade avançada é fator de risco para o surgimento das seguintes doenças oculares:

Catarata

No quadro de catarata, a vista começa a ficar borrada, além de apresentar certa dificuldade para distinguir cores, dirigir durante a noite e enxergar com muito sol. Essa doença acontece devido a um processo natural de opacificação do cristalino, uma lente natural do globo ocular. Dessa maneira, não há entrada de luz de forma eficiente e o paciente não enxerga corretamente.

A catarata também pode surgir em decorrência de diabetes não tratada e o risco é maior nos casos em que há histórico familiar. A única forma de corrigir essa doença é por meio de cirurgia.

É necessário, porém, cuidar das causas que favorecem o surgimento do problema, como diabetes e tabagismo. O consumo de alimentos antioxidantes e o uso de óculos com proteção UV também são formas de aumentar a prevenção contra a catarata.

Glaucoma

glaucoma é uma doença causada pelo aumento da pressão intraocular. Nesse quadro, ocorre lesão do nervo óptico e o paciente pode começar a perder a sua visão periférica e, futuramente, pode chegar à cegueira irreversível caso o problema não seja corretamente tratado.

O objetivo do tratamento é reduzir a pressão intraocular, por meio de colírios, medicamentos orais ou até da cirurgia chamada de Trabeculectomia (TREC). No grupo de risco encontram-se pessoas com idade avançada, hipertensos, diabéticos, negros e pessoas que já tem histórico familiar de glaucoma.

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

A mácula é uma área do globo ocular responsável pela visão central e de detalhes. Na degeneração macular, o paciente apresenta uma mancha escura bem no centro da visão, o que a torna embaçada e dificulta a identificação das formas. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento desse problema são o tabagismo, a obesidade, indivíduos caucasianos e brancos e idade acima de 50 anos.

Para os pacientes que apresentam a doença é recomendada a abstinência do cigarro, a proteção com óculos escuros (proteção UVA e UVB) e alimentação balanceada, incluindo vegetais folhosos e alimentos ricos em ômega 3. Atividades físicas e controle do peso e da pressão arterial também são ações recomendadas.

Presbiopia

Essa doença é caracterizada por uma perda progressiva e natural da capacidade de focalizar objetos, tanto de perto quanto de longe. Isso acontece porque o cristalino, a lente interna e natural do olho, perde a flexibilidade necessária para ajustar o foco, com o passar dos anos.

Os principais sintomas são dores de cabeça, necessidade de mais luz para enxergar objetos próximos, dificuldade de focar a visão e vista embaçada para perto. A presbiopia pode ser corrigida com o uso óculos, lentes de contato e por meio de cirurgias.

Retinopatia

Lesões na retina desencadeiam vários problemas, como distorção de imagens, surgimento de manchas e pontos luminosos e, em casos mais graves, perda da visão. Essa condição pode afetar pessoas de todas as idades, mas os idosos são mais suscetíveis ao desenvolvimento da doença.

A retinopatia é resultado de alterações progressivas na retina. Diabetes e pressão alta são dois fatores que contribuem para o aparecimento e agravamento desse quadro. Essas doenças acometem os vasos da retina, devido à má circulação sanguínea, e provocam diminuição da visão e até hemorragia. Portanto, o controle da pressão arterial e da glicemia é imprescindível para a prevenção e o tratamento dessa enfermidade.

Descolamento da retina

O problema acontece quando a retina se desprende do globo ocular. Esse descolamento interrompe o suporte e a nutrição, recebidos por outras estruturas oculares, e dá início ao processo de degeneração celular. Se não houver urgência no tratamento, pode ocorrer a perda total da visão.

Os fatores de risco para o descolamento da retina incluem: degeneração do vítreo, devido ao avanço da idade; catarata; glaucoma; diabetes não controlada; trauma na região dos olhos, cabeça e face; alto grau de miopia.

Como você pôde ver, são vários os problemas de visão na terceira idade e nem sempre os sintomas são precocemente identificados pelo próprio paciente. Então, diante de qualquer alteração, procure um oftalmologista. O médico vai avaliar o quadro, realizar os exames necessários e propor o tratamento certo para evitar que o problema se agrave e cause danos irreversíveis.

Você conseguiu esclarecer suas dúvidas sobre os problemas de visão na terceira idade? Para receber mais informações e conteúdos atualizados sobre saúde ocular, não se esqueça de assinar nossa newsletter!

 

Ricardo Filippo
Especialista em Cirurgia Refrativa a Laser e Ceratocone
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.

Posts Relacionados