Posso fazer o crosslinking?

O ceratocone é uma doença desenvolvida na córnea em indivíduos ainda adolescentes, que pode causar, ao longo da vida, problemas como astigmatismo e embaçamento progressivo da visão. O tratamento clínico do ceratocone é realizado com o uso de lentes de contato ou óculos, que não conseguem inibir a progressão do formato de cone que prejudica a córnea.

Um dos tratamentos recomendados para controlar essa doença é chamado de crosslinking, mas você sabe se ele é o mais indicado para o seu quadro clínico? Confira no post de hoje quais são as indicações para a realização de crosslinking:

 

banner pré consulta ceratocone

 

O que é o crosslinking?

 

O crosslinking é um tratamento menos agressivo que o transplante de córnea, utilizado para tratar o ceratocone. Nesse procedimento, é realizado um aumento da rigidez e da resistência da córnea, permitindo que ela não se altere com o passar dos anos, afetando menos a qualidade de visão do paciente.

O crosslinking é feito através da aplicação de vitamina B12 e luz ultravioleta na córnea, estimulando a formação de novas ligações entre as moléculas que formam essa estrutura, tornando-a mais rígida e inibindo o avanço da doença. O procedimento dura entre uma e duas horas e é realizado com anestesia local e em sala cirúrgica.

Após a realização do crosslinking, o paciente pode ir para a casa no mesmo dia com uma lente terapêutica que será usada por uma semana para ajudar na recuperação. O uso de colírios e as consultas regulares ajudam a garantir o sucesso da terapia.

 

Quem pode usar essa técnica?

Alguns fatores devem ser observados em pacientes que são possíveis candidatos a um procedimento de crosslinking:

  • Ter córnea transparente ou não gravemente lesionada.
  • Espessura de, pelo menos, 400 micra na córnea.
  • Idade superior a 14 anos (essa indicação pode variar de acordo com a análise do médico responsável).

A recomendação da aplicação da técnica de crosslinking em córneas espessas se deve a capacidade da estrutura em absorver os efeitos dos raios ultravioletas aplicados na região, e a ausência da lesão na córnea é uma maneira de garantir resultados ainda mais satisfatórios com a técnica.

 

Quais são os sintomas pós cirúrgicos que podem ser encontrados?

Como em qualquer outra cirurgia, alguns sintomas pós-operatórios podem ser observados na técnica de crosslinking. O olho do paciente pode ficar vermelho e desconfortável pelos primeiros dias, dolorido e lacrimejando com frequência. Por esse motivo, o oftalmologista prescreve anti-inflamatórios e analgésicos em comprimidos e em colírio para reduzir esses sintomas.

Alguns indivíduos podem precisar utilizar óculos ou lentes de contato para ajudar a corrigir a visão, mas somente por alguns meses após a aplicação da técnica. Recomenda-se também utilizar óculos escuros durante os seis primeiros meses, quando houver a necessidade de se expor à luz solar, para não prejudicar a cicatrização da córnea.

 

Quais são os cuidados pós cirúrgicos para essa técnica?

Os cuidados pós-operatórios para o crosslinking são muito semelhantes aos realizados em outros procedimentos de cirurgias oftalmológicas, como não coçar o olho e aplicar sempre o colírio, porém o paciente poderá tomar banho normalmente, ler, escrever e ver TV.

Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? Você pode assistir à nossa pré-consulta gratuita sobre a doença! Uma série de vídeos explicativos sobre ceratocone, para você ficar por dentro desta condição e saber qual o melhor momento para procurar a opinião do seu oftalmologista.

 

banner pré consulta ceratocone

 
Se você quiser saber ainda mais sobre ceratocone, você pode baixar gratuitamente o nosso Guia Definitivo sobre Ceratocone e tirar todas as suas dúvidas, ou ainda, agendar uma consulta com um de nossos especialistas em nossa clínica, localizada na Zona Oeste do Rio de Janeiro!

Ricardo Filippo
Especialista em Cirurgia Refrativa a Laser e Ceratocone
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.

Posts Relacionados