Cirurgia de estrabismo: o que você precisa saber sobre o assunto?

Você tem ou conhece alguém que tenha estrabismo? Esse problema é mais comum do que se pensa. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) revelam que cerca de 2% a 4% das pessoas no Brasil têm ou já tiveram esse problema.

Uma das formas de corrigir o agravo é por meio da intervenção cirúrgica, mas nem sempre isso será necessário e também não costuma ser a primeira opção. A cirurgia de estrabismo pode ser realizada em adultos e crianças e tem tanto a função estética como a devolução da qualidade da visão.

Confira, agora, mais detalhes sobre esse procedimento, cuidados e como ele é feito.

Quando fazer a cirurgia de estrabismo?

Nem todas as pessoas que têm estrabismo precisarão fazer a operação. Ela pode ser feita em adultos e crianças, mas, na maioria das vezes, o oftalmologista tentará corrigir o problema com o uso de óculos, lentes corretivas, tampão e exercícios oculares. Todas essas técnicas são bem menos invasivas do que a operação e, por isso, são consideradas.

A função de todos esses métodos é tentar treinar os músculos da visão a agir de forma adequada. Algumas lentes garantem, ainda, que o olho fique alinhado enquanto são usadas, o que pode ser muito importante para a autoestima do paciente.

No entanto, existem casos em que a cirurgia é inevitável, principalmente na infância. Quanto mais cedo for detectado o estrabismo, mais chances de obter um resultado satisfatório sem a necessidade da intervenção cirúrgica. Em crianças, o procedimento evita que ela tenha algum problema de profundidade de visão (estereopsia) ou vista preguiçosa (ambliopia) no futuro .

Por que corrigir o problema?

O estrabismo é mais que uma questão estética, apesar de essa ser a principal causa para as pessoas procurarem o tratamento. O desalinhamento provoca, em muitos casos, a visão dupla e a dificuldade de enxergar profundidades. Portanto, seja em adultos, seja em crianças, fazer a correção é importante para aumentar a autoestima e a qualidade de vida.

Como é o pré-operatório?

Antes da cirurgia, o médico fará uma série de exames para avaliar a condição geral de saúde e a capacidade de cicatrização. Além disso, é nessa fase que o médico saberá como ele vai realizar o procedimento, o chamado plano cirúrgico.

Pacientes com alguma complicação mais grave de saúde, como diabetes, precisarão de um cuidado extra e é isso que o médico avalia no pré-cirúrgico.

Como é a cirurgia de estrabismo?

médico oftalmologista realizará a operação em um hospital, com uma anestesia geral, tanto em adultos, quanto em crianças. Com a ajuda de um aparelho, as pálpebras são mantidas abertas. A correção não dura mais do que uma hora e é feita com pequenos cortes ou tencionando os músculos oculares com o objetivo de equilibrar as forças na região e alinhar o olho.

Isso é feito porque o problema não é causado especificamente pelo olho, mas pelos músculos que o movimentam. Logo, eles precisam ser ajustados por meio de mínimas incisões para realinhar a visão. O médico utiliza esse método para reposicionar, enfraquecendo músculos e fortalecendo outros.

Você não ficará com nenhuma cicatriz, pois o processo é realizado sem cortar a pele. Em alguns casos, o médico precisa repetir o procedimento após alguns dias para complementar o trabalho já feito. O processo não dói e é realizado em um ou nos dois olhos, conforme orientação do oftalmologista.

Quais são os cuidados no pós-cirúrgico?

Após a cirurgia, o paciente pode sentir algumas dores, vermelhidão e irritação nos olhos. Isso é normal e é devido à intervenção. O médico prescreverá analgésicos e anti-inflamatórios para aliviar o problema, que pode durar alguns dias. A vermelhidão, no entanto, pode demorar cerca de três semanas para sumir.

Geralmente, não é necessária a internação de um dia para o outro no hospital, mas alguns cuidados precisam ser tomados para evitar complicações. Entre eles, utilizar corretamente os colírios e remédios que o médico indicou, com o objetivo de evitar infecções e acelerar a recuperação.

Não é recomendado dirigir, trabalhar e estudar por dois a sete dias após o procedimento (o médico dará um atestado para garantir que você fique em casa repousando). Também não se deve nadar antes de duas semanas e é importante evitar forçar a visão.

Para prevenir infecções, é preciso redobrar os cuidados com higiene, evitando coçar e mexer nos olhos. Pode existir, ainda, certa sensibilidade à luz, que é aliviada com o uso de óculos escuros. Em alguns casos, o médico orientará usar compressas geladas nos olhos para diminuir o inchaço.

Existe algum risco?

Como toda cirurgia, existem alguns riscos para infecções oculares, sangramento, visão dupla ou redução da visão. Apesar de essas situações serem pouco comuns, elas demonstram que é imprescindível procurar um médico de confiança para realizar o procedimento e evitar tais complicações. Seguir todas as orientações no pós-operatório também ajuda a diminuir qualquer risco.

A cirurgia é definitiva?

Em geral, a operação corrige o problema completamente, ou da melhor maneira possível. Isso porque existem variações fisiológicas do próprio olho do paciente, que vão impedir que a correção seja completa. De qualquer forma, ela melhorará significativamente a estética e deve corrigir a visão dupla apresentada por alguns pacientes.

No entanto, é importante destacar que existem situações em que o olho volta a desalinhar após algum tempo em um processo natural. Nesses casos, é feito um novo procedimento, sendo que o médico deve descartar a possibilidade de a situação ter retornado por questões neurológicas.

A cirurgia de estrabismo é uma intervenção a ser considerada para corrigir o problema e devolver a visão plena e a autoestima das pessoas. Apesar de o processo não ser muito invasivo, ele não é a primeira solução adotada, sendo que é possível usar outros tratamentos como tampões, óculos e lentes para que o olho se alinhe.

No entanto, quando essas técnicas não resolvem, a cirurgia é recomendada, sendo que o médico oftalmologista vai analisar a viabilidade e como será feita. Se você precisar passar por essa intervenção, siga corretamente todas as orientações do médico e não negligencie os cuidados.

Gostou de saber mais sobre a cirurgia de estrabismo? Então, leia também nosso post sobre o que é estrabismo e mais detalhes sobre esse problema!

Isabel Garcia
Especialista em Estrabismo e Oftalmolpediatria
Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.
Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.

Posts Relacionados