X

Como usar óculos com o grau errado pode fazer mal à sua visão

Muitas pessoas que começaram a usar óculos recentemente ou que precisam mudar a lente devido ao aumento do grau sabem quão problemático é usar um par de óculos com uma gradação que não seja a indicada pelo seu oftalmologista.

Mais do que um simples incômodo, utilizar os óculos errados pode fazer mal à saúde dos olhos, trazendo desconfortos e podendo até mesmo prejudicar a visão.

 

Por que usar óculos com o grau errado pode fazer mal à sua visão

As lentes dos óculos de grau são produzidas exclusivamente para atender à necessidade de cada paciente, de acordo com a receita médica que foi passada pelo oftalmologista. Independentemente do problema – miopia, astigmatismo, hipermetropia, entre outros – nenhuma pessoa tem um grau idêntico à outra.

Isso acontece porque cada lente é prescrita seguindo medidas muito específicas dos olhos de cada paciente, como a distância pupilar e a distância focal em cada olho – que, aliás, nem sempre são iguais em ambos.

Com isso, utilizar óculos com o grau errado – como aquele par antigo, de um amigo ou, pior ainda, comprados em farmácias e comércios informais – pode, na verdade, piorar a visão do paciente a longo prazo, uma vez que essas lentes não conseguirão resolver ou aliviar os problemas oculares que o acometem. Desse modo, é inevitável que surjam desconfortos, como dores de cabeça frequentes, tonturas, enjoo e fadiga visual.

Por fim, é preciso ter em mente também que é comum que o grau mude com o passar dos anos, sendo necessária a confecção de novas lentes. Por isso, é fundamental realizar exames de rotina com o oftalmologista pelo menos uma vez ao ano e, uma vez com a receita em mãos, só utilizar óculos cujas lentes foram produzidas em óticas especializadas.

 

Outros hábitos que podem fazer mal à sua visão

Não é só usar óculos com o grau errado que faz mal à saúde dos olhos. Infelizmente, há uma série de hábitos comuns que prejudicam a visão e aumentam as chances de doenças e outras intercorrências.

Pensando nisso, confira agora 10 hábitos que podem fazer mal à sua visão:

 

1. Utilizar óculos de qualidade duvidosa

Como comentamos, é essencial que o paciente siga à risca as recomendações do oftalmologista ao mandar confeccionar as lentes. Nesse sentido, os produtos vendidos por óticas especializadas geralmente passam por rigorosos controles de qualidade, além de possuírem garantia.

Por outro lado, óculos vendidos em farmácias, ambulantes e outros comércios não especializados muito provavelmente não contam com a qualidade necessária para o tratamento correto do problema, apresentando distorções nas lentes e erros de fabricação nas armações.

Além disso, na maioria dos casos, as lentes dos óculos comercializados nesses estabelecimentos não possuem a proteção adequada contra os raios ultravioleta, aumentando o risco de desenvolvimento de outros problemas oculares.

 

2. Não corrigir o grau periodicamente

Pessoas que sofrem com problemas de refração, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, devem consultar-se periodicamente com o oftalmologista para ajustar o grau das lentes sempre que preciso. Isso acontece porque esses problemas evoluem naturalmente com o tempo, sendo necessário ajustar os óculos para a gradação correta.

 

3. Ler em lugares escuros

Assim como uma câmera fotográfica, nossos olhos precisam de luz para que consigam enxergar um objetivo com nitidez. Quantos menos luminosidade houver, menos nítida fica nossa visão.

Nesse sentido, tentar ler em lugares com pouca iluminação força os olhos desnecessariamente, exigindo grande esforço da musculatura ocular para tentar focar e deixar a imagem mais nítida. Com isso, é comum a pessoa sofrer com dores de cabeça, ardência nos olhos, lacrimação e oscilação na visão.

 

4. Ler em movimento

Para focar em um objeto e produzir uma imagem nítida, os olhos precisam de estabilidade. Ao tentarmos ler no ônibus ou no carro, a movimentação do veículo altera a orientação os órgão responsáveis pela sensação de equilíbrio no corpo.

Além disso, o movimento constante faz com que os olhos tenham que fazer um esforço contínuo para tentar focalizar corretamente a imagem, sendo comum que o leitor sinta tontura, enjoo e dores dos olhos.

 

5. Não retirar as lentes para tomar banho e dormir

As lentes nada mais são do que películas que ficam em constante contato com os olhos. Por esse motivo, elas devem ser retiradas e higienizadas todos os dias.  Isso porque, no banho, as impurezas e micro-organismos da água podem ficar armazenadas nas lentes, causando inflamações e irritações.

Por sua vez, quando as lentes não são retiradas para dormir, cria-se um ambiente propício para a proliferação de bactérias e o acúmulo de impurezas, fatores que pode causar infecções e problemas mais graves, como ulcerações nas córneas.

Aqui vale lembrar que quando falamos de cuidados com lentes de contato, só retirá-las para dormir não é o suficiente para manter a saúde ocular em dia e existem outros hábitos que você deve se certificar em ter.

 

6. Usar colírios sem prescrição

Existem diferentes tipos de colírios no mercado. Aqueles destinados unicamente à limpeza dos olhos oferecem menos riscos. No entanto, alguns produtos possuem substâncias, como cortisona e alguns antibióticos, que podem causar efeitos colaterais e prejudicar as bactérias benéficas presentes nos olhos, aumentando o risco de inflamações.

 

7. Mexer nos olhos com as mãos sujas

Este é um hábito praticamente involuntário e que a maioria das pessoas acaba fazendo diversas vezes ao longo dia. Porém, essa mania pode trazer riscos e merece atenção. As mãos são grande foco de acúmulo de bactérias e outros micro-organismos. Ou seja, tocar nos olhos com os dedos sujos pode levar a infecções e inflamações, como a conjuntivite.

 

8. Passar muito tempo atrás de telas

Computador, celular, tablet, televisão… O alto contraste e o brilho emitido por esses aparelhos, aliados à pequena distância e à grande quantidade de tempo que passamos atrás desse tipo de tela, podem causar uma série de desconfortos oculares. Por isso, descansos periódicos para os olhos são essenciais para evitar problemas como fadiga ocular, secura, irritação e visão turva.

 

9. Não usar óculos escuros

Como mencionamos anteriormente, a radiação UV é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de problemas de visão. Tanto os óculos de grau quanto, especialmente, os óculos escuros devem possuir proteção contra os raios ultravioleta para proteger os olhos de maneira adequada.

 

10. Negligenciar sintomas

A melhor forma de evitar problemas mais graves à visão é a prevenção. Infelizmente, muitos negligenciam possíveis sinais e sintomas. É importante consultar-se com freqüência com um oftalmologista e procurá-lo sempre que houver presença de dor, alta sensibilidade à luz, vermelhidão ou irritação persistente e sintomas semelhantes.

Quanto mais tarde ocorrer o diagnóstico, pior é para o paciente, uma vez que aumentam consideravelmente as possibilidades de uma intervenção cirúrgica e, consequentemente, de um período de recuperação mais longo e debilitante.

A visão é o principal sentido do ser humano e, por isso, não deve nunca ser negligenciada. Embora óculos vendidos sem receita, em estabelecimentos baratos, possam parecer vantajosos, na verdade eles trarão mais riscos do que benefícios à saúde dos seus olhos.

Por isso, ressaltamos mais uma vez: consulte-se regularmente com um médico oftalmologista. A prevenção é a melhor saída para evitar doenças e outros problemas e tratá-los da forma mais adequada.

Já marcou sua próxima consulta? Então aproveite e agende um horário com nossos especialistas!

Especialista em Cirurgia Refrativa a Laser e Ceratocone
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.
Categories: Geral
Ricardo Filippo :Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área, clique aqui.