Como usar colírio antibiótico e quais os cuidados que você deve ter

Considere as orientações compartilhadas a seguir para obter melhor efeito durante o tratamento com uso de colírio antibiótico

Você sabe usar colírio antibiótico? Diversas são as razões que levam o uso desse medicamento e a utilização inadequada pode não surtir o efeito desejado ou agravar ainda mais a situação.

Se você nunca usou colírio antibiótico ou já usa, mas não sabe se está fazendo a aplicação correta, o primeiro passo é pedir ao médico oftalmologista instruções de como seguir o tratamento.

 Como essa é uma das dúvidas recorrentes dos pacientes, selecionamos as principais orientações para te ajudar. Confira.

Para que serve?

Um colírio antibiótico é uma medicação que deve ser receitada apenas pelo médico oftalmologista. Ele serve para tratar infecções causadas por bactérias. Dependendo da doença ocular, o remédio pode estar associado a anti-inflamatórios.

Existe um modo correto de aplicá-lo?

Como já dissemos, o primeiro passo para aplicar o colírio antibiótico corretamente é seguir as orientações do oftalmologista em relação ao horário e duração do tratamento. Siga à risca essas instruções para evitar que a bactéria a ser combatida crie resistência.

Como estamos falando de uma região sensível do corpo humano, é fundamental que as mãos estejam higienizadas na hora de pingar o medicamento. Isso evita a contaminação por microrganismos.

Em relação à posição, o ideal é ficar com a cabeça reclinada para trás. Isso facilita a entrada da gota no olho. Levemente, puxe a pálpebra inferior, de modo a formar uma bolsa que facilita a exposição do olho e evita o desperdício de medicamento.

Geralmente, uma gota de colírio antibiótico é suficiente. Quantidades superiores tendem a escorrer para fora do olho. Mas, se você tiver dúvida se a gota realmente caiu e quiser pingar novamente, isso não é um problema, já que o excesso escorrerá.

O frasco de colírio antibiótico de aspecto leitoso deve ser agitado antes de pingar porque as composições mais densas ficam no fundo do recipiente. Em todo caso, é importante ler as instruções na bula e seguir as orientações do médico.

Lembre-se de que, ao pingar o colírio, o mais indicado é não apertar os olhos. Essa pressão pode fazer com que a gota escorra para fora do olho e o medicamento não aja como deveria.

Como aumentar a absorção do colírio antibiótico?

Para que o medicamento seja melhor absorvido, após pingar, mantenha os olhos fechados, mas sem apertar, por, mais ou menos, 2 minutos. Se você estiver usando mais de um colírio, aguarde por volta de 15 minutos entre uma aplicação e outra.

Esse tempo de espera é necessário para evitar que uma substância anule o efeito da outra. Se o oftalmologista prescreveu pomada ou gel além do colírio, aplique primeiro o colírio e depois o outro medicamento para evitar a má absorção.

mulher sentada em sua cama usando regata cinza aplicando colírio antibiótico em seus próprios olhos

Leia mais: Aprenda a pingar colírios corretamente

Como evitar contaminação ao pingar colírio antibiótico

Como já mencionamos, lave as mãos antes de manipular a medicação. Depois de abrir o frasco, coloque a tampa com a boca virada para cima sobre um lenço ou papel. Tome cuidado para não encostar a ponta do frasco nos dedos ou nos olhos.

Lembre-se sempre de checar a validade do medicamento e não use se o prazo estiver vencido. Após aberto, o colírio antibiótico não deve ser usado por mais de 1 ou 2 meses. Descarte o frasco assim que o médico suspender o tratamento.

Armazene o medicamento em local limpo e seco. Cuidado para não esquecer o colírio antibiótico dentro da bolsa ou do carro. A mudança brusca de temperatura pode inutilizar o efeito. Se for preciso, deixe um frasco em casa e outro no trabalho.

Com todos os cuidados que mencionamos neste artigo, você se sentirá mais seguro ao aplicar o colírio antibiótico. Não deixe de procurar seu médico oftalmologista sempre que tiver dúvidas.

Por fim, não se esqueça de que o caminho para a boa saúde ocular é acompanhamento profissional e realização correta do tratamento. Jamais se automedique. 

Ricardo Filippo
Especialista em Cirurgia Refrativa a Laser e Ceratocone
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.