Você sabe o que causa o derrame intraocular e quais são os sintomas?

Dê sua nota!

A palavra “derrame” está relacionada a qualquer evento vascular que cause extravasamento de sangue para fora dos vasos, como o Acidente Vascular Cerebral (AVC). O derrame intraocular, portanto, é um sangramento que ocorre na parte interna do olho, sendo muito importante pela sua gravidade e pela escassez de sintomas que apresenta se comparado com outras doenças oculares.

Também chamado “hemorragia vítrea”, o derrame intraocular difere de outros sangramentos do olho devido à sua localização: ele acomete o humor vítreo, um líquido que preenche a maior parte do globo ocular. Além de ser responsável por manter a forma do olho, o vítreo também recobre a retina, que é o órgão responsável pela conversão da imagem em estímulos nervosos para que ocorra a visão.

A causa mais comum de preocupação sobre sangramentos oculares é a hemorragia subconjuntival (hiposfagma), que causa uma vermelhidão súbita na superfície do olho. O derrame intraocular, por ser mais interno, pode se apresentar com sintomas diferentes e ser ainda mais grave. Tendo em vista a importância de diferenciar esses sangramentos, a Clínica de Oftalmologia Integrada separou as principais informações sobre esse problema. Vamos lá?

Causas

Existem várias causas para o derrame ocular, podendo ele ocorrer inclusive sem nenhuma explicação aparente. A maioria dos casos, entretanto, estão relacionados a traumas sofridos nos olhos ou no rosto, que podem causar ruptura dos vasos sanguíneos dentro do globo ocular e consequente hemorragia na região vítrea.

Outras doenças que estão associadas a maior risco de derrame intraocular são a retinopatia diabética, doenças oftalmológicas (como o glaucoma) e a hipertensão arterial. Pessoas com essas doenças, considerados pacientes em risco, devem se submeter a avaliação médica anual para rastreio de anomalias oculares.

Pacientes em uso de medicamentos anticoagulantes (utilizados para deixar o sangue menos viscoso) estão em risco para qualquer hemorragia, incluindo o derrame intraocular. Além disso, aumentos súbitos de pressão nos olhos, como espirros ou tosse forte, também podem causar ruptura vascular e consequente hemorragia.

Diagnóstico diferencial

A maior causa de preocupação em relação a sangramentos nos olhos ocorre em outro tipo de doença, chamada de hemorragia subconjuntival. Nesse caso, o sangramento ocorre não no humor vítreo, como no caso do derrame intraocular, mas entre a conjuntiva e a esclera (na parte branca dos olhos), sendo mais superficial e não acometendo a parte interna do olho.

Mesmo que a hemorragia subconjuntival seja motivo de maior ansiedade, ela geralmente não apresenta maiores complicações, se resolvendo rapidamente. A coleção de sangue no espaço subconjuntival, na maioria das vezes, é reabsorvido em poucos dias. Ainda assim, na sua ocorrência, um oftalmologista deve ser consultado para investigar possíveis causas e outras doenças associadas.

Sintomas do derrame intraocular

No geral, quanto mais interna a hemorragia, mais perigosa ela é. Sangramentos se comportam dessa maneira em todo o corpo, e não são diferentes quando ocorrem no globo ocular.

Em contraste com a hemorragia subconjuntival, o derrame intraocular pode ser mais silencioso, fazendo com que tenhamos que redobrar nossa atenção: como o sangramento ocorre em uma parte interna do olho, pode ser que não observemos nenhuma vermelhidão aparente. Nesse caso, temos que nos atentar a outros sintomas que são sugestivos do derrame, mesmo sem um sangramento explícito.

Dentre os principais sintomas do derrame intraocular, podemos elencar:

  • dor aguda;
  • sensibilidade à luz;
  • diminuição na acuidade visual.

É importante ter em mente que a doença pode se apresentar com nenhum desses sintomas ou com poucos deles, de modo que, sob qualquer suspeita, um oftalmologista deve ser consultado. Como a diminuição na acuidade visual é o principal sintoma do derrame intraocular, qualquer embaçamento ou turbidez visual persistentes devem ser avaliados por um oftalmologista.

Complicações

Se não diagnosticado e tratado rapidamente, o derrame intraocular pode evoluir e causar complicações por vezes irreversíveis. Como o humor vítreo está em contato íntimo com algumas estruturas nobres, como a retina, o dano visual pode ser permanente e problemas podem surgir, como inflamação ocular, maior propensão para o desenvolvimento de glaucoma e até cegueira.

Mesmo após a resolução do derrame intraocular, o paciente pode apresentar visão embaçada e “moscas nos olhos”, chamadas de moscas volantes. Isso ocorre porque o sangue é absorvido pelo organismo durante meses, mas, caso essa absorção seja incompleta, o oftalmologista pode indicar uma intervenção cirúrgica: chamada de vitrectomia, essa cirurgia visa trocar o gel natural do olho por um líquido transparente para escoar o sangue acumulado.

Tratamento

O diagnóstico diferencial é importante para descartar outras causas e a hemorragia subconjuntival, evitando procedimentos desnecessários. Como a hemorragia subconjuntival é geralmente benigna e o sangue na região é reabsorvido pelo organismo, não há necessidade de intervenção cirúrgica nesses casos. O soro fisiológico pode ser usado para hidratação local e diminuição do desconforto.

Em caso de traumatismo ocular ou no rosto, a visita ao oftalmologista deve ser adiantada ao máximo porque a hemorragia vítrea pode ser apenas um dos problemas oculares. Devem ser pesquisados ruptura da córnea, outras hemorragias, lesão na retina e infecções.

Quando o derrame intraocular ocorre devido a outras doenças, é importante que elas sejam tratadas: controle da pressão arterial, do diabetes e ajuste de medicação anticoagulante podem ser algumas das medidas abordadas para impedir novos sangramentos. Para reduzir a pressão intraocular, o oftalmologista pode prescrever alguns medicamentos, como anti-inflamatórios de hipotensores oculares.

Compressas geladas podem ser realizadas em casa para redução da hemorragia: quando prescritas por um médico, o frio faz com que os vasos sanguíneos se contraiam e diminuam, portanto, a quantidade de sangue extravasado. Em casos raros, a cirurgia estará indicada para a remoção de coágulos e de sangue acumulado.

O derrame intraocular é uma doença silenciosa e que pode trazer sérias complicações. Para a correta prevenção e diagnóstico, é imprescindível a visita médica na frequência estipulada pelo profissional. Em casos de diminuição da acuidade visual ou de qualquer um dos sintomas da hemorragia vítrea, entre em contato imediatamente com um oftalmologista de confiança.

A divulgação de informações em saúde é a principal forma de nos mantermos em alerta para possíveis doenças. Compartilhe este post em suas redes sociais!

Mario Filippo
Especialista em Cirurgia Refrativa a Laser e Ceratocone
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.

Posts Relacionados