Cirurgia de calázio: quando é indicada?

Apesar de ser pouco conhecido, o calázio é um problema clínico bastante comum.

Geralmente confundido com o terçol, por conta das semelhanças entre as duas condições, o calázio não é grave. Entretanto, por acometer a região dos olhos, é preciso atenção e tratamento adequado para evitar complicações, que podem, inclusive, levar à necessidade de cirurgia.

O que é calázio?

O calázio é uma inflamação causada pela obstrução da glândula de Meibômio, localizada nas pálpebras e responsável pela produção da secreção sebácea que lubrifica os olhos. Quando isso acontece, a gordura produzida pela glândula começa a se acumular, formando uma saliência semelhante a uma espinha, chamada de lipogranuloma gorduroso.

Trata-se de lesão crônica que pode apresentar-se como um cisto, tanto na pálpebra superior quanto na inferior. É mais comum que o nódulo apareça na parte superior, devido à maior quantidade de glândulas sebáceas ali presentes.

Como dissemos, o calázio é facilmente confundido com o terçol. No entanto, são duas condições diferentes. Enquanto o terçol é resultado de uma infecção bacteriana, o calázio é decorrente da inflamação das glândulas de gordura, não causada por micro-organismos.

Para identificar o calázio, é preciso ficar atento aos sintomas. Os mais comuns incluem:

  • nódulo na pálpebra;
  • diminuição do olho, decorrente do inchaço na região do cisto;
  • visão embaçada, devido à eliminação de secreção;
  • sensibilidade à luz (fotofobia).

Em geral, o calázio se apresenta de forma indolor, mas nos casos de inflamação e crescimento do nódulo, pode haver incômodo, dor, irritação, calor e vermelhidão.

Os sintomas podem se manifestar em apenas um ou nos dois olhos, na parte interna ou externa da pálpebra, e não se trata de um quadro contagioso – ou seja, não é transmissível de pessoa para pessoa.

Tratamento para calázio: cirurgia é a única opção?

Em boa parte dos casos, o calázio desaparece naturalmente em questão de poucas semanas, sem necessidade de intervenção médica. Quando isso não acontece, no entanto, o tratamento inclui desde cuidados caseiros ao uso medicamentos recomendados pelo médico oftalmologista. Somente em último caso é que a cirurgia de calázio é indicada.

Compressas mornas

São recomendadas compressas mornas para diminuir o inchaço do nódulo e aliviar o desconforto. Além disso, a temperatura das compressas ajuda a melhorar a fluidez da secreção sebácea dentro da glândula, colaborando para a desobstrução dos dutos e a remissão do problema.

Para realizar as compressas, é sempre necessário manipular o local lesionado com as mãos limpas e evitar tocar, coçar ou espremer qualquer nódulo que apareça nos olhos, reduzindo o risco contaminações e complicações.

Colírios ou pomadas com antibióticos

O tratamento clínico do calázio é feito com a indicação de colírios e pomadas de efeito antibiótico e antiinflamatório. Caso o paciente apresente um quadro de infecção mais grave, antibióticos via oral também podem ser prescritos.

Cirurgia de calázio

Como comentamos, a cirurgia para desobstrução e remoção de calázio é a última das medidas indicadas para resolução do problema. Trata-se de um procedimento bem rápido, com duração máxima de 20 minutos. A intervenção cirúrgica é feita a partir de uma pequena incisão na área da lesão, com aplicação de anestesia local. Depois disso, o conteúdo do nódulo é drenado e o calázio é retirado.

Cirurgia de calázio: quando ela é indicada?

A cirurgia de calázio deve ser indicada nos casos em que o quadro se repete com muita frequência e/ou naqueles em que a resposta aos tratamentos caseiro e clínico não foi positiva – especialmente se o nódulo crescer o suficiente para causar incômodo, provocar alterações na visão ou até mesmo modificar a estética do paciente a ponto de afetar sua autoestima.

Vale destacar, porém, que raramente um paciente chega ao ponto de precisar passar pela cirurgia de retirada do calázio. Além de os tratamentos apresentarem ótimos resultados, cerca de 1/3 dos casos de calázio se resolvem naturalmente, sem a necessidade de qualquer tipo de intervenção.

Pós-operatório e recuperação da cirurgia de calázio

Quando falamos em cirurgia, especialmente na região dos olhos, é comum que os pacientes fiquem um pouco receosos em relação ao período de recuperação e possíveis complicações no pós-operatório. No entanto, não há motivos para alardes.

Como destacamos, a cirurgia é bastante simples e termina em poucos minutos, sem a necessidade de internação – apenas um período curto de observação após o procedimento.

Como a incisão é feita, regularmente, na parte de dentro da pálpebra, a operação de calázio não costuma deixar cicatriz, e a recuperação é tranquila. O paciente leva pouquíssimo tempo para se recuperar e pode retirar o curativo no mesmo dia da cirurgia.

Como em qualquer intervenção feita na região nos olhos, é comum que o paciente apresente inchaços e hematomas no local da cirurgia, que tendem a diminuir já na primeira semana. Além disso, durante os primeiros dias, não é incomum que a visão fique um pouco embaçada.

Durante o pós-operatório, o paciente deve manter o tratamento com colírios, pomadas e compressas por um período determinado pela equipe médica. Deve-se evitar também o uso de lentes de contato e maquiagem por, pelo menos, três a quatro dias, para não correr o risco de infecções e inflamações.

Por fim, após a cirurgia, o paciente deve ficar cerca de dois dias de repouso. Após a primeira semana, ele já é liberado para retornar às suas atividades normais, como trabalhar e estudar. Entretanto, a prática de atividades físicas intensas deve ser evitada por, pelo menos, 15 dias, especialmente aquelas de alta intensidade, que envolvam impacto ou aquáticas.

Qual a importância de procurar um bom especialista?

Temos o péssimo hábito de postergar os cuidados com a saúde ou confiar em qualquer profissional. Isso é um risco! Problemas que não são devidamente tratados podem evoluir para quadros mais graves, por isso é sempre importante procurar o acompanhamento médico adequado.

Com a saúde dos olhos não é diferente. Para encontrar um oftalmologista bem conceituado, busque referências, pesquise, veja as avaliações de outros pacientes, observe o currículo e a especialidade do profissional.

O mesmo cuidado vale na hora de escolher uma clínica. Analise indicações e depoimentos de pessoas que já fizeram tratamentos no local, veja a reputação da instituição, conheça o corpo clínico, o nível de especialização e o histórico profissional dos médicos.

Não entregue sua saúde nas mãos de qualquer pessoa! Hoje, é muito mais fácil realizar uma pesquisa antes de escolher um profissional. Você pode acessar informações no site da clínica, entrar em contato e esclarecer todas as dúvidas previamente.

Tratamento com a Clínica de Oftalmologia Integrada

Na Clínica de Oftalmologia Integrada (COI), o tratamento é feito com tecnologia de última geração. Contamos com uma estrutura integrada completa, que possui consultórios clínicos, centro de exames e centro cirúrgico no mesmo local, de forma a facilitar o procedimento para o paciente do início ao fim.

A instituição conta ainda com corpo clínico altamente qualificado, formado por profissionais e especialistas capazes de diagnosticar, acompanhar e tratar os mais diversos casos. Tudo isso em uma localização privilegiada na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Gostou? Então não adie mais os cuidados com a saúde dos seus olhos. Entre em contato com a COI e agende agora mesmo a sua consulta com um dos nossos especialistas!

André Cezar
Especialista em Plástica Ocular, Vias lacrimais e Órbita
Graduado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora – SUPREMA.
Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre minha experiência na área,
clique aqui.

Posts Relacionados