Quais os tipos de daltonismo e como identificá-los?

Você já ouviu falar no daltonismo? Esse distúrbio da visão altera a percepção das cores, fazendo com que a pessoa tenha dificuldade em distingui-las — especialmente quando se trata do vermelho e do verde. Embora possa ser resultado de lesões neurológicas ou traumas nos órgãos da visão, a maioria dos casos de daltonismo está ligada a uma alteração genética ligada ao cromossomo X, afetando principalmente os homens — que possuem dois desses cromossomos. Quer saber mais sobre esse distúrbio, como identificá-lo e quais são seus tipos? Então acompanhe:

Teoria e prática

Os portadores de daltonismo têm dificuldade em distinguir as cores primárias, como o verde e o vermelho, mas a verdade é que, dessa forma, a percepção das outras cores também fica comprometida. Para saber mais sobre essa condição, é preciso entender o mecanismo da visão, começando pela retina, que é composta por dois tipos de células sensíveis à cor:

  • Bastonetes: responsáveis pelas visões noturna e periférica, assim como pela visão em preto e branco em todos os tons.
  • Cones: responsáveis pela percepção das cores, classificando-se em três tipos, de forma que cada tipo é sensível a um comprimento de ondas das cores.

A percepção das tonalidades depende, portanto, do estímulo aos cones. Assim, para os portadores de daltonismo, as células responsáveis pela diferenciação das cores são insuficientes ou apresentam uma anomalia que altera o mecanismo natural da visão.

Tipos de daltonismo

teste de ishihara daltonismoTambém chamado de discromatopsia e discromopsia, o daltonismo pode ser classificado em três tipos:

Protanopia

Caracteriza-se pela ausência ou pela diminuição do pigmento vermelho, responsável por emitir ondas de comprimento longo. Com isso, a visão é composta por tons de bege, marrom, verde e cinza, sendo que o verde se torna semelhante ao vermelho.

Deuteranopia

Devido à ausência dos cones sensíveis às ondas de comprimento médio, todos os tons vistos por esse tipo de daltonismo são variações da cor marrom, sendo que as cores verde e vermelho são as mais prejudicadas.

Trinatopia

Essa é a condição mais rara de daltonismo, que prejudica a visão das cores azul e amarelo. As tonalidades de azul que o portador desse variação enxerga são diferentes e o amarelo é percebido como um rosa claro.

Vale apontar que existe ainda uma outra variação do daltonismo, extremamente rara, caracterizada pela visão acromática, quando a pessoa só enxerga tons de branco, cinza e preto.

Formas de diagnóstico

College of Optom stock

Existem alguns exames específicos para diagnosticar o daltonismo e determinar o grau de comprometimento da visão:

  • Anomaloscópio de Nagel: realizado com o auxílio de um aparelho que divide o campo de visão em duas partes e ilumina cada uma delas com luzes monocromáticas amarelas, verdes e vermelhas;
  • Lãs de Holmgreen: um teste simples que avalia a capacidade da pessoa em separar fios de lã em várias tonalidades;
  • Teste de cores de Ishihara: esse é o teste mais usado para o diagnóstico do daltonismo, que consiste em cartões pontilhados em várias tonalidades diferentes, sendo que em cada cartão existe uma letra ou um número desenhado com pontos em tonalidades que não são percebidas pelos daltônicos.

Possibilidade de tratamento

O daltonismo é uma condição que não oferece nenhum tipo de tratamento ou cura, mas existem lentes de óculos com filtros de cor que podem auxiliar no contraste e influenciar positivamente a visão.

Mas de qualquer forma é importante ressaltar que o daltonismo não impede que a pessoa tenha uma vida normal, sendo que algumas adaptações simples — como gravar o nome de cada cor em lápis de cores ou utilizar softwares especializados para daltônicos ao acessar a internet — podem aumentar bastante sua qualidade de vida. Algumas cidades já possuem semáforos adaptados para daltônicos, assim como certas escolas oferecem material didático adaptado para o ensino das crianças com essa condição.

E em caso de suspeita de daltonismo ou qualquer dificuldade para distinguir cores, é importante consultar um oftalmologista o quanto antes para confirmar o diagnóstico e determinar o grau de comprometimento da visão, ok?

E você, já tinha ouvido falar em diversos tipos de daltonismo? Ficou ainda com alguma dúvida sobre essa condição? Deixe seu comentário e divida seus questionamentos e suas impressões conosco!

E não esqueça de visitar o seu oftalmologista de confiança regularmente!

 

Ricardo Filippo
Especialista em Cirurgia Refrativa a Laser e Ceratocone
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.

Posts Relacionados