X

Recebi o diagnóstico de catarata: E agora, quais cuidados tomar?

Você sabe como é feito o diagnóstico de catarata, quais são as possibilidades de tratamento e se existem maneiras de prevenir a doença?

A catarata é um processo natural do organismo, que acontece com o avançar da idade, principalmente após os 60 anos. Trata-se de uma opacidade do cristalino, a lente natural situada atrás da íris, cuja transparência permite que os raios de luz o atravessem e alcancem a retina para formar a imagem.

A catarata é tratável e atualmente é uma das principais causas de cegueira reversível no mundo. Os principais sintomas são embaçamento, visão turva mesmo com óculos, dificuldade para ler em ambientes escuros e para dirigir à noite, visualização de cores mais desbotadas e sem brilho, contraste ou nitidez.

Ao notar qualquer sintoma, é importante procurar um médico oftalmologista para realizar os exames. O tratamento da doença é mais eficaz quando o diagnóstico é dado precocemente, impactando nos resultados e na qualidade de vida do paciente.

Assista agora mesmo nosso vídeo exclusivo sobre a catarata:

Como é feito o diagnóstico de catarata?

Ao perceber algum sintoma da doença ou mesmo durante uma consulta de rotina com o médico oftalmologista, o profissional deve analisar o histórico do paciente e pode solicitar alguns exames mais específicos, que incluem:

Teste de acuidade visual

Esse exame avalia o grau de aptidão dos olhos para detectar a forma e o contorno dos objetos, ou seja, a nitidez com que as imagens são formadas. Por meio desse teste, o médico pode determinar se há alguma perda de visão nos olhos.

Nele, o paciente é colocado a mais ou menos 6 metros de distância de um gráfico contendo letras, números ou formas, que diminuem gradualmente de tamanho. Em seguida, o paciente deve dizer em voz alta o que enxerga, sendo cada olho examinado separadamente.

Exame da lâmpada de fenda

Uma lâmpada de fenda é um equipamento que permite ao oftalmologista avaliar detalhes da anatomia do globo ocular. Um feixe de luz fino e intenso é focado para dentro do olho do paciente. Com o auxílio de um microscópio, o médico analisa os aspectos físicos do olho para determinar se há alguma irregularidade.

O exame da lâmpada de fenda serve para descobrir se existem problemas com as estruturas frontais do olho, que incluem a córnea, a íris, a pálpebra, a esclera, a conjuntiva e o cristalino.

Mapeamento de retina

Nesse exame — feito separadamente em cada olho —, um colírio especial é utilizado para dilatar a pupila. O médico, com o auxílio de um oftalmoscópio, analisa o fundo do olho e o cristalino em busca de sinais que possam indicar patologias da retina associadas ou não à catarata.

Como é feito o tratamento de catarata?

A única forma de tratamento reconhecida atualmente para a catarata é a cirurgia de substituição do cristalino por uma lente intraocular. Não há colírio nem medicamentos que curem a doença sem o paciente ser submetido à cirurgia.

A cirurgia de catarata é a mais realizada no mundo. A recuperação é bem simples, e praticamente não existe dor, apenas um leve incômodo ou desconforto depois do procedimento cirúrgico. A anestesia é local, aplicada por meio de um colírio, e o paciente submetido à cirurgia pode voltar para casa no mesmo dia do procedimento.

Quando o paciente opera a catarata, ele recebe uma lente intraocular, que tem o objetivo de zerar o grau do olho. Portanto, ele pode ficar independente dos óculos para longe.

Existem disponíveis no mercado lentes intraoculares bifocais que corrige a visão de longe e de perto, e ainda há a opção da lente trifocal, que corrige a visão de perto, intermediária e de longe. Com uma lente multifocal interna, a pessoa tem uma visão para todas as distâncias, com o intuito de ficar independente dos óculos.

Elas são conhecidas como lentes intraoculares premium, e após a cirurgia o paciente não precisa usar nem lentes de contato e nem óculos.

Existe o mito de que é preciso esperar a catarata piorar para depois operar, mas o ideal é operar o quanto antes, logo que é feito o diagnóstico. Dessa forma, o resultado cirúrgico é melhor, a recuperação é mais rápida e a cirurgia é também tecnicamente mais simples se o paciente fizer na fase inicial do que na doença avançada.

Os benefícios de operar catarata são muitos:

  • maior autonomia para realizar as atividades diárias;
  • redução das chances de quedas e fraturas, já que devido à evolução da catarata, o idoso tende a cair mais pela perda da visão;
  • redução das chances de depressão senil, pois se a pessoa começa a perder um dos sentidos, ela terá menor interação com o meio social;
  • aumento da expectativa de vida dos pacientes operados em 5 anos, segundo este estudo.

Como se prevenir da catarata?

Assim como é o caso com outras doenças oculares graves, é possível ter alguns hábitos que minimizam as chances do desenvolvimento precoce de catarata. O fator mais importante é o envelhecimento, que deve acontecer da forma mais saudável possível.

Alguns hábitos já são reconhecidos como fatores de proteção ao desenvolvimento precoce da doença, como:

  • consumo reduzido de sal e gorduras;
  • abstenção de álcool e tabaco;
  • prática de exercícios físicos;
  • controle rigoroso do nível de glicose no sangue;
  • alimentação saudável à base de frutas e vegetais ricos em vitaminas A, C e E em sua dieta.

A redução do estresse é outro fator a ser considerado. Ficar estressado eleva a produção de radicais livres e a oxidação das células do cristalino, acelerando sua opacificação.

Ainda falando em prevenção, a falta de proteção solar aumenta o risco do paciente ter catarata. Ainda não é um hábito comum o uso de lentes com filtro solar durante o ano todo. A radiação ultravioleta emitida pelo sol só é segura para os olhos quando está abaixo de 6. No Brasil, esse índice é ultrapassado mesmo no inverno.

Assim como ocorre com diversas outras doenças oculares, o diagnóstico de catarata ainda no início é vital para a preservação da visão. Faça um acompanhamento médico com um oftalmologista e realize consultas regulares.

Gostou de saber mais sobre a catarata? Ainda tem dúvidas sobre o assunto?

Então entre em contato conosco que teremos o prazer em saná-las!

Especialista em cirurgia de catarata e ceratocone
Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área,
clique aqui.
Categories: Cirurgia de Catarata
Guilherme Quinellato :Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área, clique aqui.